Justiça acusa homem de 25 anos de envolvimento em caso Ronaldinho

Para Ministério Público do Paraguai, Víctor Manuel Cabrera Villalba teria sido o responsável por cuidar pessoalmente do documentos adulterados


O Ministério Público paraguaio acusou na última sexta-feira (24) um homem de 25 anos de envolvimento na adulteração de documentos paraguaios entregues a Ronaldinho Gaúcho e ao irmão, Assis, para entrar em Assunção no dia 4 de março.

Os procuradores Alicia Sapriza, Federico Delfino, Marcelo Pecci e Osmar Legal apresentaram denúncia contra Víctor Manuel Cabrera Villalba por suposto abuso de identidade e documentos de associação criminosa, de acordo com declaração do MP.O rapaz teria se encarregado pessoalmente de cuidar do trâmite dos documentos entregues aos irmãos no Departamento de Identificação da Polícia Nacional. Ele então os repassou a um primo, Gayoso, que também será julgado e é suspeito de pertencer a uma quadrilha que produz documentos públicos com conteúdo falso, de acordo com a Procuradoria Geral da República.

O Ministério Público considera que os documentos levados por Cabrera Villalba foram posteriormente modificados e entregues à brasileira Paula Regina Oliveira Moura Lira, esposa do empresário do Wilmondes Sousa Lira, processado no caso. No início desta semana, a polícia paraguaia prendeu outro suspeito, Wilson Arellano, filho de um funcionário da imigração também envolvido no caso e preso em uma casa em Assunção. 

Fontes do Ministério Público explicaram que Arellano seria então um dos encarregados de processar os documentos falsos que teriam chegado a Ronaldinho e Assis através da empresária paraguaia Dalía López, contra quem foi expedido um mandado de prisão.

Os dois irmãos cumprem prisão domiciliar em um hotel de Assunção sob custódia policial e com a proibição de sair do Paraguai. No último dia 7, eles pagaram fiança de US$ 1,6 milhão para deixar o Grupamento Especializado da Polícia Nacional, onde estavam detidos.

Da EFE
esportes.r7